quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Mauro Diniz

Nascido num dos bairros mais tradicionais do samba carioca de Oswaldo Cruz, aos 4 anos ficava entre as pernas do pai, deixando todos boquiabertos com a habilidade nos primeiros acordes no cavaquinho. Aos 8 anos além de ter feito uma paródia com um samba de seu pai, para ser o samba-enredo do Bloco da Alegria, foi presenteado com um violão por sua mãe Thereza, pastora da Escola assim deu seus primeiros passos em direção a música guiada nada mais nada menos por bambas da Velha Guarda da Portela. Tinha seu sono embalado por sambas Antológicos de seu maior ídolo, seu pai, o Extraordinário Monarco da Portela. Mauro Diniz foi um autodidata invejável, durante muito tempo. Aos 24 anos comprou seu primeiro cavaquinho, não se separando do instrumento, até trocá-lo por um outro que já tinha sido do Mestre Nelson Cavaquinho, este último o acompanha até hoje. Em 1982, começou a cursar a Faculdade de Educação Física, não completando o curso devido às seguidas viagens que fazia integrando a banda da cantora Beth Carvalho. Estudou música com gente competente como o nosso saudoso Copinha, maestro Joaquim Nagle e, indicado pelo maestro e Produtor Rildo Hora, foi estudar piano clássico, harmonia e percepção com a magistral professora Felícia. Algum tempo depois se matriculou no CIGAM, um dos melhores cursos de música do Rio de Janeiro, onde concluiu o Curso de Harmonia, Improvisação e Arranjo. Teve entre grandes Mestres o ilustre IAN GUEST, o Mestre dos Mestres. Hoje, Mauro Diniz está entre os mais conceituados cavaquinistas do país, um dos mais estudiosos. Fazendo jus à veia poética da família - seu avô José Felipe Diniz escrevia poesias na revista mineira As Moças - Mauro também começou a compor e já gravou com Roberto Ribeiro, Grupo Fundo de Quintal, Nosso Samba e com Monarco. Já gravou tocando em quase todos os discos de samba e também com Amelinha, Fagner e Ivan Lins. Seu último CD, SAMBA COM REALIDADE, gravado recentemente, recorda os tempos de Pagodes do Cacique de Ramos e faz homenagens a grandes sambistas como Mestre Marçal, Roberto Ribeiro e ao Grupo Fundo de Quintal.

ASSISTA: Neste vídeo cantam Mauro Diniz e Guilherme Nascimento, parceiros no samba Ingrata Paixão.

video

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Ratinho

Alcino Correia Ferreira, Ratinho foi criado em Pilares. Pela Caprichosos, escola do bairro, ganhou sete sambas-enredo incluindo um estandarte de ouro em 78, “Festa da uva, no Rio Grande do Sul”. Tem mais de dez músicas gravadas com o parceiro Zeca Pagodinho e outras por Roberto Ribeiro, Jovelinha Pérola Negra, Jorge Aragão, Almir Guineto, Fundo de Quintal, Dorina, Beth Carvalho e Fátima Guedes. Entre muitos parceiros, um verdadeiro álbum de parcerias de samba, estão Monarco, Mijinha, Noca, Argemiro, Wanderley Monteiro, Guilherme de Brito, Nelson Cavaquinho, Mauro Diniz e Zé Luiz do Império. Desde 2004 ele organiza a Toca do Rato, ao lado da sua esposa Dê, que toca a cozinha. Lançou recentemente o Cd O Rato sai da Toca, com composições suas inéditas.

“Ratinho é para citar seu samba com o parceiro Marcio Vanderlei, um caso sério. Não basta ter completo domínio da arte de fazer samba, não é suficiente exibir competência, conhecer seu povo e sua cidade, tudo isso conta e muito, mas, tem que ter o Dom, tem que ser abençoado por entidades misteriosas que benzem a fronte dos que se tornam Mestres, São muitos os bons sambistas e raros aqueles que transmitem com simplicidade e beleza uma espécie de sabedoria ancestral. Não por acaso, Ratinho é um dos parceiros favoritos de Zeca Pagodinho, Sua benção, Ratinho! Sambista único - para voltar a citar o primoroso “Malaquias”, um craque como há muito não se via.ALDIR BLANC

ASSISTA: Neste vídeo Zeca Pagodinho convida Nilze Carvalho, Dorina, Teresa Cristina e Juliana Diniz. Participação de Monarco, parceiro de Ratinho no samba Coração em Desalinho.

video

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Por trás das máscaras: o carnaval em Piracicaba e seus significados sociais

Décadas após a independência parecia ser necessário definir uma identidade para o país. O carnaval foi tomado como um pretexto que possibilitaria a construção da expressão cultural exclusivamente brasileira, passando a ser a questão literária mais importante durante a Primeira República.

Seja uma festa religiosa ou pagã, o carnaval sempre existiu na história da humanidade como um momento determinado pelos homens para expandir seus sentimentos de alegria e liberdade. É encontrado nas mais diversas formas: entre os gregos nas festas consagradas a Dionísio, aos romanos à divindade egípcia Isis, entre outros, sempre houve festas, danças, músicas, máscaras e risos.

O costume de se brincar carnaval no Brasil foi introduzido pelos portugueses, tendo início provavelmente no século XVI, sendo inicialmente conhecido como Entrudo.

Em Piracicaba, o carnaval se faz presente há mais de 50 anos e essa manifestação permitia a população uma integração social que ocorria através das músicas, das danças e confraternizações.

Como preparação aos três dias de loucura, os piracicabanos se muniam de confetes, serpentinas, limões de cheiro, lança perfumes, fantasias, máscaras, entre outros arsenais necessários para adoração ao deus Momo. No que diz respeito às práticas eram comuns os bailes populares e as brincadeiras de rua, para a elite, as festas aconteciam nos salões dos grandes clubes ou também em suas casas.

O carnaval popular era considerado perigoso pela burguesia piracicabana, pois havia uma convicção de que o povo era o representante do agente da desordem, sendo assim deveriam estar em extrema vigilância, sobretudo quando se encontravam em multidão e diante da oferta de bebidas alcoólicas.

Tido como um tempo de loucura, o carnaval assume uma função social, pois “afetados pela varinha mágica da loucura carnavalesca” os indivíduos podiam liberar seus instintos que permaneciam escondidos devido às regras estabelecidas pela sociedade.

Ainda com todo esse rígido controle, as farras carnavalescas nunca foram extintas por completo e mesmo na tentativa era muito difícil o controle sobre elas. Desse modo garantir a tranquilidade durante os dias de festa era e ainda é uma tarefa inglória para os policias encarregados de cumprir a lei.

O carnaval era uma possibilidade de tirar a dor dos homens que viviam na pobreza, desse modo a festa se transformava num ritual de inversão de valores. Não muito diferente do que ocorre atualmente, o carnaval continua sendo uma “válvula de escape” que alivia os sofrimentos e frustrações cotidianas.

Histórias do Carnaval






















Agora é Cinza (1933) Bide e Marçal

Você partiu,
Saudades me deixou,
Eu chorei,
O nosso amor, foi uma chama,
O sopro do passado desfaz,
Agora é cinza,
Tudo acabado e nada mais !...

Você,
Partiu de madrugada,
E não me disse nada,
Isso não se faz,
Me deixou cheio de saudade,
E paixão,
Não me conformo,
Com a sua ingratidão.
( Chorei porque )

Agora desfeito o nosso amor,
Eu vou chorar de dor,
Não posso esquecer,
Vou viver distante dos teus olhos,
Ho ! Querida,
Não me deu,
Um adeus, por despedida !
( Chorei porque )

Esta música foi lançada nos ensaios da Escola de Samba Recreio de Ramos, da qual Marçal era vice-presidente, para o carnaval de 1933 com o título de "Tu partiste", mas foi modificada pelo parceiro Bide, Alcebíades Barcelos (foto da esquerda) tendo ficado com o nome "Agora é cinza". Bide foi quem introduziu ao samba o surdo, instrumento de orquestra, na bateria da escola. "Naquela época não tinha surdo em escola de samba. Era só pandeiro e tamborim. Precisava do surdo para chamar atenção do coro que ia na frente e manter o ritmo. Por isso fiz quatro surdos de latas grandes e redondas de manteiga. No carnaval seguinte, todo mundo veio do mesmo jeito", costumava contar o compositor, que morreu em 1975.

Bide nasceu no dia 25 de julho de 1902 e como sapateiro era um ótimo compositor. Sua primeira composição, Malandragem, caiu nas graças do público e de Francisco Alves. "O Chico ouviu esta música e foi me procurar. Naquela época ele não tinha nem carro", revelou Bide a Juarez Barroso, do Jornal do Brasil, em 1966. O compositor e ritmista Armando Vieira Marçal (foto da direita) nasceu em 14/10/1902 no Rio de Janeiro e faleceu em 20/6/1947. Formou com Bide uma das mais importantes duplas de compositores de samba da primeira metade do século passado. Ofereceram duas músicas ao grande cantor Mario Reis: "Durmo Sonhando" e "Agora é cinza" que deixou Francisco Alves escolher qual preferia cantar. Chico Alves escolheu a primeira e Mario Reis ficou com a segunda que fez enorme sucesso no carnaval de 1934 ao contrário da outra. "Agora é cinza" foi eleita por um juri de críticos em 1975, convocados por Marcus Pereira, como "o melhor samba de todos os tempos". É um grande exemplo de como eram diferentes os tempos de outrora, quando o samba saía direto do coração pro papel.


ASSISTA: Este vídeo é parte da entrevista de Mestre Marçal ao Programa Ensaio de 1991 da Tv Cultura, de Fernando Faro.

video

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010


Manifesto aos Cartunistas
30/12/2009

Apoio incondicional à Zetti!
Devido a visão de quem comanda nosso mercado editorial, muitos dos nossos desenhistas de humor, especialmente os caricaturistas, vislumbram, entre as poucas possibilidades de mostrar seus traços, os salões de humor nacionais e internacionais. Sem dúvida, o Salão Internacional de Humor de Piracicaba, o evento do gênero com maior longevidade no mundo, é uma das opções mais preciosas que temos.

Nenhum evento semelhante conseguiria se manter por tantos anos se não fosse pela atuação preciosa de algumas pessoas. Obviamente que ninguém trabalha sozinho, e que nenhum ser humano poderia carregar um piano desse porte sem a mínima ajuda que fosse, mas é inegável a participação eficaz de Maria Ivete Araújo, mais conhecida como Zetti, na coordenação e, principalmente, nas relações entre autoridades e artistas (leia-se cartunistas). Em todos os eventos semelhantes que costumo ir, em todas as reuniões de desenhistas, todos os encontros de cartunistas, sempre ouvi os melhores comentários a respeito da Zetti. São 30 anos de dedicação ao principal Salão de Humor que temos, e não tem cartunista que não a conheça e não a respeite. A Zetti é hoje uma referência para todos nós, jovens ou veteranos.

Desenho de humor e política só caminham de mãos dadas quando o primeiro fica de olho no segundo. E é essa política, mesmo em tempos de democracia, que pretende tirar do nosso convívio a presença irretocável da Zetti. A política tem nome, mas duvido muito que algum cartunista a conheça. Assim como eu não fazia a menor idéia de quem era o Prefeito de Piracicaba até pesquisar no Google, também não sei quem é Rosângela Rizzolo Camolese, a Secretária da Ação Cultural de Piracicaba. E é para esses políticos de carteirinha que todos nós cartunistas devemos nos dirigir e exigir que o trabalho sério e significativo da Zetti seja mantido. Afinal, não se faz salão de humor sem cartunistas, e nós, os cartunistas, não fomos consultados sobre a saída da Zetti da coordenação do Salão Internacional de Humor de Piracicaba.

Manifestem-se colegas!

Vamos entupir a caixa postal do Prefeito e da tal Secretária de Ação Cultural com e-mails,
cartuns e charges contrárias à essa burrice.
José Roberto / RJ
Cartunista


PREFEITO
BARJAS NEGRI
Rua Antonio Correa Barbosa, 2233 – 11o andar
3403-1040
SECRETÁRIA MUNICIPAL DA AÇÃO CULTURAL - SEMAC
RÔSANGELA MARIA RIZZOLO CAMOLESE
Avenida Maurice Allain, 454
3403-2600

BLOCO QUILOMBOLA 2010


RESERVA DAS CAMISETAS ATÉ DIA 10 DE JANEIRO

(MEDIANTE PAGAMENTO – serão somente 150 camisetas)

VALOR DA CAMISETA – R$ 30,00

(Inclui cerva, água, refrigerante e camiseta)

Reservas com: Skimó, Barata, Teda e no Divino’s Restaurante Joede

Entrega das camisetas: 30/01/10

Local: Clube 13 de Maio

Hora: 16h00

Atração: Roda de Samba - Comunidade Quilombola e convidados


Banda da Sapucaia – 6 de fevereiro de 2010